Vidas Marcadas pela História: Projecto em Colaboração com o CES
2014-06-17

A Guerra Colonial nunca encontrou um efectivo espaço de rememoração naquilo que foi a reconstrução democrática e pós-imperial da sociedade portuguesa – é, portanto, um silêncio constitutivo desse processo. Sob vários pontos de vista, os veteranos que adquiram deficiência na Guerra Colonial constituíram a expressão viva de um trauma colectivo que a ordem social democrática quis esquecer. O silenciamento e a marginalização a que os deficientes das forças armadas foram sujeitos consagra-os enquanto testemunhas privilegiados para se resgatarem preciosas dimensões históricas para a compreensão do Portugal contemporâneo. Desde logo, para uma valorização da Guerra Colonial enquanto um momento histórico que deixou

duradouras marcas na sociedade portuguesa. A Associação dos Deficientes das Forças Armadas (ADFA) foi criada em 14 de Maio de 1974. 

Os princípios e propósitos que orientaram o aparecimento desta associação efervesciam já antes da Revolução de Abril, mas foi no espaço de liberdade criado pela democracia que tiveram oportunidade de se afirmar e ganhar forma institucional.

A nossa hipótese de trabalho é que as vidas descontinuadas pela Guerra Colonial e marcadas pela deficiência carregam significativos elementos de marginalidade e distanciamento em relação à sociedade portuguesa. Em termos metodológicos este projecto assentará fortemente nas histórias de vida dos DFA, na criação de história oral, e num aturado trabalho documental (no sentido de sistematizar e analisar o material documental existente relativamente à Guerra Colonial e suas sequelas).